Buscar

O que vinho, cerveja e pão têm em comum? 


Obviamente, todos os três são alimentos ou bebidas e parte de qualquer aperitivo, almoço ou jantar. Mas o que mais eles têm em comum? Você já ouviu falar em alimentos fermentados? Sim, vinho, cerveja e pão, como queijo ou iogurte, são alimentos fermentados. Nos últimos anos, outros alimentos mais exóticos como kefir, tempeh, chucrute, missô ou chá de kombuchá foram adicionados a essa lista, populares entre as tendências alimentares recentes ou seguidores de dietas macrobióticas.


O conceito de “macrobiótica” na verdade já revela do que estamos falando, alimentos que contêm bactérias. Os alimentos fermentados passam por um processo de fermentação. Os lactobacilos convertem açúcares e carboidratos em ácido láctico. Isso ajuda a manter os alimentos por mais tempo, dá-lhes um sabor agradavelmente azedo e suas enzimas, necessárias para a nossa digestão, tornam-nos um alimento saudável.


A fermentação de alimentos é um processo que fornece probióticos, microrganismos vivos que enriquecem e equilibram a flora intestinal. É um processo em que ocorre a desintoxicação, fazendo com que as toxinas que prejudicam nossa saúde desapareçam. Isso significa que devemos comer alimentos fermentados diariamente? Se considerarmos o intestino como nosso "segundo cérebro", a resposta é: sim, devemos.


Na verdade, sabemos que várias culturas antigas, como a coreana ou maasai, comiam alimentos fermentados, por ex. kimchi ou leite fermentado. A Ásia é o continente com mais tradições em alimentos fermentados. Na China e no Japão, o consumo de alimentos fermentados é diário e abundante.


Em contraste, alimentos fermentados são escassos na alimentação diária ocidental, que é principalmente dominada por alimentos processados ​​ou produtos alimentícios com alto teor de açúcar. Durante as últimas décadas, a industrialização mudou o papel de importantes alimentos fermentados que devem ser consumidos diariamente. Hoje em dia, eles desempenham um papel apenas secundário em nossa sociedade ocidental.



Voltando aos três alimentos dos quais falamos no início deste artigo, queremos comparar três tipos de alimentos fermentados; dois que têm boa reputação, são socialmente aceitos e reconhecidos e um que aparentemente não o faz.


Vinho e cerveja têm boa reputação e aceitação social. O consumo de uma taça de vinho é considerado saudável por médicos e nutricionistas há anos. O mesmo acontece com a cerveja. Mas o pão não tem a mesma reputação, embora seja um antigo alimento fermentado. Talvez porque agora seja principalmente produzido com fermento químico em produções curtas e em grande escala?


No pão encontramos lactobacilos como "San Francisco". O ativamos após misturar a farinha de trigo com água e fermento para massas ázimas e deixamos a massa repousar em bloco por 90 a 120 minutos a uma temperatura de cerca de 26 ° C.


Assim como o vinho fica em um barril de madeira e a cerveja fermenta pela ação do fermento por três dias, o pão fermentado também fermenta em processos lentos. Portanto, agora que sabemos que os alimentos fermentados demoram a fermentar porque é sua característica natural, por que não aceitamos o mesmo para o pão? Por que não comemos pão feito de fermento?


A indústria do vinho nos transformou, os consumidores, em gourmets. Aprendemos sobre diferentes variedades de uvas e tipos de vinho. A indústria da cerveja, da mesma forma, fez cervejas artesanais da moda em todo o mundo. Em contraste, a indústria do pão não foi capaz de estabelecer o pão como um alimento saudável com tantas variedades quanto o vinho ou a cerveja. O pão é um alimento nutritivo e saboroso e merece o mesmo respeito e reconhecimento que a cerveja ou vinho tinto.


Talvez um dia tenhamos uma lista de pães nos restaurantes, tal como a carta de vinhos, com os diferentes pães à escolha. Mas para isso os produtores de pão devem defender sua elaboração tradicional e milenar, como fazem os produtores de vinho e cerveja.


#panificacao #pao #panificacaoartesanal

43 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo